Tag: jardim japonês

Estilos de jardins

Jardim japonês, desde tempos ancestrais, antes do século VI. Os japoneses vêem a prática do cultivo de um jardim como uma das modalidades artísticas mais sublimes, uma vez que ela representa a própria esfera íntima da natureza e estabeleça uma harmonia perfeita com o entorno.

.

.

.

Os jardins japoneses caracterizam o Japão da era feudal, eles conduzem naturalmente seus visitantes a um estado de meditação, calma e espiritualidade. Com elementos simbólicos, valores transmitidos pela água, plantas e pedras.

.

.

Um dos elementos mais conhecido é o Sakura ou a cerejeira decorativa, também denominada flor da Felicidade; ela tem um papel fundamental na cultura do Japão. Entre março e abril os japoneses comemoram o Hanami, data na qual se festeja a floração deste arbusto, um evento que atrai muitos turistas.

.

.

O Momiji-Gari ou Acer Vermelho traduz a típica melancolia dos japoneses. A face mística do jardim é conferida pela presença das lanternas de pedra, as quais contribuem para uma melhor concentração e para iluminar a psique; por meio destas luzes são despertados os valores tradicionais e espirituais.

.

.

O elemento água é representado pelo lago e pelas carpas, os quais têm significação essencial, pois esta substância é vital para a existência. Os peixes, por sua vez, simbolizam a fecundidade e o progresso.

O Taiko Bashi ou a ponte é uma trilha que se insinua pelo jardim, significando a ascensão a um estágio espiritual e emocionalmente mais elevado, que implica em crescimento e conhecimento interior.

.

.

.

O bambu, dobrável, revela o dom humano de se moldar a qualquer situação e de se transformar e ele têm seus galhos atados, de forma que o arbusto se curve sobre o lago, como em sinal de reverencia.

As pedras das cascatas são o núcleo central do jardim. A rocha posicionada verticalmente simboliza a paternidade; e a inserida horizontalmente representa a maternidade, da qual emana a água.

.

Visite também os posts:

Envie comentário.

Tire suas dúvidas.

Curta no Facebook.

Pimenta do Brasil


Além do nome pimenta do Brasil, (Schinus terebinthifolius Raddi), a planta também é conhecida como: aroeira-vermelha, aroeira-pimenteira, aroeirinha, pimenta rosa, pimenta brasileira ou simplesmente aroeira. De cor vermelha, não apresenta ardência e sim um sabor adocicado.

Planta nativa do Brasil, comum na Mata Atlântica e restingas e matas de baixada, do Estado do Rio de Janeiro. Frutifica de forma abundante nos meses de março até maio, com frutos bastante apreciados pelas aves. Arvore de pequeno porte, com galhos finos, longos e folhas espaçadas.

Espécie altamente ornamental, além de apresentar frutos de coloração intensa, comestíveis e apreciado por pássaros e seres humanos; Entretanto, não é muito introduzido em projetos de paisagismo, o que é hora de inverter este quadro, pois a  pimenta do Brasil , se encaixa perfeitamente em projetos de paisagismo com jardim em estilo tropical e jardim japonês, também em projetos de hortas caseiras, muito usadas hoje em dia; A pimenta do Brasil ainda pode ser cultivada em sacada de apartamento, que receba sol direto, a espécie valoriza a decoração do ambiente com cores vivas de verde e vermelho intenso.

O Brasil exporta a pimenta do Brasil do extrativismo e beneficiada, nos estados da Bahia, Espirito Santo e Rio de Janeiro.

Além da culinária pimenta do Brasil é utilizada na indústria farmacêutica e de cosméticos; Mas sem dúvida alguma, seu emprego é maior na forma de condimento, ótima para molhos, saladas, peixes, temperar carne bovina ou suína, decorar pratos, inclusive para acompanhar sorvetes, geleias,numa combinação inesquecível.

Dicas para o cultivo saudável da  pimenta do Brasil:

  • Cultive sob sol pleno, em solo rico em matéria orgânica.
  • Regue 1 vezes na semana.
  • Adube com fertilizante mineral NPK 04-14-08.
  • Realize podas, nos meses de maio a agosto.
  • Realize mudas a partir de sementes, estaquias e alporquias.


    Planta nativa do Brasil, comum na Mata Atlântica e restingas.
    Frutos vermelhos e maduros da pimenta

    Envie comentário.

    Tire suas dúvidas.

    Curta no facebook.

     

    Visite também os posts:

    Flores comestíveis.

    Horta em casa.

    Jardim japonês.

    Areca bambu.

    Cica.

    Estufa para plantas

    Ipê rosa.

    Ipê branco.

    Romã.

    Cheflera.

    Cerejeira ornamental.

    Arvore do viajante.

    Parque do Ipiranga

    Jardim desértico

      Envie comentário.

      Tire suas dúvidas.

      Curta no facebook.

       

      Aprenda a utilizar o NPK na adubação de suas plantas


      As plantas retiram do solo a maior parte de seus nutrientes. E ao longo de sua vida, cada uma delas necessitam de diferentes tipos de “alimento”, porém o NPK é um adubo mineral, sintetizado pela industria.

      E seu uso facilita adubação, por conter os nutrientes que as plantas mais necessitam para um crescimentos saudável. Descubra o que é o NPK:

      • (N) Nitrogênio- é responsável pela formação e crescimento da parte verde das plantas (caule e folhas).
      • (P) Fosforo- garante o surgimento de flores e frutos.
      • (K) Potássio- responsável pela formação de raízes, fortifica a planta, para combater pragas e doenças, e resistir á variações de clima, até a seca.

      Ao comprar adubos minerais, observe que eles trazem marcação da quantidade de cada elemento de NPK. Que se divide em três grupos mais usados.

      NPK  04-14-08.

      NPK 10-10-10.

      NPK 25-25-25.

      Para saber qual dos 3 tipos se encaixa nas necessidades de suas plantas, siga uma regra simples.

      • Para as palmeiras,  pinheiros, folhagens, cactos, suculentas, gramas e todas as outras plantas que não tem flores ou frutos, deve ser utilizado o adubo NPK 10-10-10.
      • Para as arvores frutíferas ou espécies que apresentam flores, o apropriado é o NPK 04-14-08.
      • E finalmente o NPK 25-25-25 é recomendado para o uso em plantas cultivadas em hidroponia.

      Com esta dica você verá que suas plantas iram responder melhor as adubações realizadas daqui por diante. E lembre-se que o correto é realizar a adubação a cada 3 meses no Outono/Inverno; E todo mês na Primavera/verão.

      Na proporção de 2 colheres de sopa, para cada 10 quilos de terra. Instale o adubo NPK afastado das raízes da planta, para que não as queime. Para plantas cultivadas em vaso deposite o mais próximo do vaso que puder; E plantas cultivadas no solo, coloque o adubo a 20 cm de distância das raízes.


      Visite também os posts:

      Cadeira americana.


      Recicle janela de madeira.


      Mesa de madeira.


      Decoração com paletes.


      Patina de demolição.

      Projetos e cultivo de jardins.


      Adubo orgânico.


      Ponto cardiais e cultivo de plantas.


      Envie comentário.

      Tire suas dúvidas.

      Curta no facebook.